Open Site Navigation
  • Preto Ícone Facebook
  • Preto Ícone Instagram
  • Preto Ícone LinkedIn
  • Preto Ícone YouTube

Scroll Down

OLÁ!

Sobre o projeto

Desafiar Estereótipos é um projeto pedagógico de promoção da Igualdade de Género e de Oportunidades, desenvolvido em coautoria com a artista Ana Bacalhau, que visa criar nos e nas jovens a reflexão e o debate sobre diversos conceitos associados ao tema da Igualdade. O projeto está direcionado para os alunos/as do Ensino Secundário e pode ser apresentado nas mais diversas organizações educativas que trabalhem com este público, em diferentes modelos de apresentação.

Este conteúdo, Desafiar Estereótipos, explora, para uma melhor compreensão da temática geral, os diversos contextos de vida, onde a discriminação em função do género acontece, nomeadamente na conciliação entre a vida pessoal, familiar e profissional, nos contextos de Poder e de Tomada de Decisão e em casos de Violência de Género.

Inclui temas originais, musicados pela Ana Bacalhau, e uma peça de teatro, que é a adaptação das histórias do livro ao teatro.

Projeto

Projeto

Projeto

Sobre o projeto

Desafiar Estereótipos é um projeto pedagógico de promoção da Igualdade de Género e de Oportunidades, desenvolvido em coautoria com a artista Ana Bacalhau, que visa criar nos e nas jovens a reflexão e o debate sobre diversos conceitos associados ao tema da Igualdade. O projeto está direcionado para os alunos/as do Ensino Secundário e pode ser apresentado nas mais diversas organizações educativas que trabalhem com este público, em diferentes modelos de apresentação.

Este conteúdo, Desafiar Estereótipos, explora, para uma melhor compreensão da temática geral, os diversos contextos de vida, onde a discriminação em função do género acontece, nomeadamente na conciliação entre a vida pessoal, familiar e profissional, nos contextos de Poder e de Tomada de Decisão e em casos de Violência de Género. Inclui temas originais, musicados pela Ana Bacalhau, e uma peça de teatro, que é a adaptação das histórias do livro ao teatro.

olá!

Autora do projeto

A banda "Deolinda" foi fundada em 2006 e com ela o desejo de viver em exclusivo da música torna-se realidade. Desde então, tem calcorreado o mundo com as palavras e sons da banda.

Pelo caminho, partilhou a voz e o palco com outros músicos, como Gaiteiros de Lisboa, Sérgio Godinho, Xutos & Pontapés, António Chainho, Pedro Abrunhosa, Ana Moura. Em 2013, recebeu o convite para participar numa canção promovida pela ONU, "One Woman", de entre um lote de 25 cantoras, onde se incluem Concha Buika, Bebel Gilberto e Rokia Traoré. A canção pretende alertar para a defesa dos direitos das mulheres.

Em 2017, lançou o seu primeiro álbum a solo, "Nome Próprio", cujos singles de apresentação "Ciúme" e "Leve Como Uma Pena", foram escritos, respetivamente, por Miguel Araújo e Jorge Cruz. Paralelamente, tem ainda integrado projetos como a interpretação de um tema na banda sonora da série de Nuno Markl, "1986", ou dando voz, na versão portuguesa, a uma das personagens de "Smallfoot −Uma Aventura Gelada".

O seu envolvimento em "Desafiar Estereótipos" reforça o seu ativismo em prol da Igualdade de Género.

Ana Bacalhau

Ana Bacalhau nasceu em 1978.Quando era criança, sonhava ser professora de Português e Inglês. Por isso, conforme planeado, seguiu os seus estudos nesta área. No entanto, as aulas de guitarra, que tanto pedira à mãe e ao pai, fizeram com que descobrisse a sua voz e uma vontade de fazer música, que nunca mais a largou. 

Fundou a sua primeira banda, "Lupanar", em 2001, em parceria com Gonçalo Tocha e Dídio Pestana. Fazer música em Português, explorar sons, palavras e géneros musicais sem constrangimentos ou barreiras era o objetivo do grupo.

​Ana Bacalhau nasceu em 1978.Quando era criança, sonhava ser professora de Português e Inglês. Por isso, conforme planeado, seguiu os seus estudos nesta área. No entanto, as aulas de guitarra, que tanto pedira à mãe e ao pai, fizeram com que descobrisse a sua voz e uma vontade de fazer música, que nunca mais a largou. Fundou a sua primeira banda, "Lupanar", em 2001, em parceria com Gonçalo Tocha e Dídio Pestana. Fazer música em Português, explorar sons, palavras e géneros musicais sem constrangimentos ou barreiras era o objetivo do grupo.

​A banda "Deolinda" foi fundada em 2006 e com ela o desejo de viver em exclusivo da música torna-se realidade. Desde então, tem calcorreado o mundo com as palavras e sons da banda.

Pelo caminho, partilhou a voz e o palco com outros músicos, como Gaiteiros de Lisboa, Sérgio Godinho, Xutos & Pontapés, António Chainho, Pedro Abrunhosa, Ana Moura. Em 2013, recebeu o convite para participar numa canção promovida pela ONU, "One Woman", de entre um lote de 25 cantoras, onde se incluem Concha Buika, Bebel Gilberto e Rokia Traoré. A canção pretende alertar para a defesa dos direitos das mulheres.

​Em 2017, lançou o seu primeiro álbum a solo, "Nome Próprio", cujos singles de apresentação "Ciúme" e "Leve Como Uma Pena", foram escritos, respetivamente, por Miguel Araújo e Jorge Cruz. Paralelamente, tem ainda integrado projetos como a interpretação de um tema na banda sonora da série de Nuno Markl, "1986", ou dando voz, na versão portuguesa, a uma das personagens de "Smallfoot −Uma Aventura Gelada".

O seu envolvimento em "Desafiar Estereótipos" reforça o seu ativismo em prol da Igualdade de Género.

Autora do projeto

Ana Bacalhau

Autora do

projeto

Ana Bacalhau

​Ana Bacalhau nasceu em 1978.Quando era criança, sonhava ser professora de Português e Inglês. Por isso, conforme planeado, seguiu os seus estudos nesta área. No entanto, as aulas de guitarra, que tanto pedira à mãe e ao pai, fizeram com que descobrisse a sua voz e uma vontade de fazer música, que nunca mais a largou. Fundou a sua primeira banda, "Lupanar", em 2001, em parceria com Gonçalo Tocha e Dídio Pestana. Fazer música em Português, explorar sons, palavras e géneros musicais sem constrangimentos ou barreiras era o objetivo do grupo.

​A banda "Deolinda" foi fundada em 2006 e com ela o desejo de viver em exclusivo da música torna-se realidade. Desde então, tem calcorreado o mundo com as palavras e sons da banda.

Pelo caminho, partilhou a voz e o palco com outros músicos, como Gaiteiros de Lisboa, Sérgio Godinho, Xutos & Pontapés, António Chainho, Pedro Abrunhosa, Ana Moura. Em 2013, recebeu o convite para participar numa canção promovida pela ONU, "One Woman", de entre um lote de 25 cantoras, onde se incluem Concha Buika, Bebel Gilberto e Rokia Traoré. A canção pretende alertar para a defesa dos direitos das mulheres.

​Em 2017, lançou o seu primeiro álbum a solo, "Nome Próprio", cujos singles de apresentação "Ciúme" e "Leve Como Uma Pena", foram escritos, respetivamente, por Miguel Araújo e Jorge Cruz. Paralelamente, tem ainda integrado projetos como a interpretação de um tema na banda sonora da série de Nuno Markl, "1986", ou dando voz, na versão portuguesa, a uma das personagens de "Smallfoot −Uma Aventura Gelada".

​O seu envolvimento em "Desafiar Estereótipos" reforça o seu ativismo em prol da Igualdade de Género.

Porquê? Porque é que, socialmente, me sinto mais à vontade para desempenhar certas funções, tarefas ou papéis? Porque é que sinto necessidade de corresponder a certas expectativas sociais relacionadas com o meu género? Porque é que ser mulher ou ser homem influencia o meu comportamento social? Porquê? “Desafiar Estereótipos” incita-te a questionar um porquê muito particular: o porquê das imposições ou das condicionantes sociais que te são apresentadas em função do teu género. Agora, que te estreias ou estás prestes estrear na vida adulta, serás confrontado e confrontada com um conjunto de obstáculos diretamente relacionados com o facto de seres homem ou mulher. Estes obstáculos nem sempre são fáceis de descortinar, tal é a sua subtileza e enraizamento nas normas da sociedade em que vivemos.

Sinopse do livro

Sinopse do livro

Porquê? Porque é que, socialmente, me sinto mais à vontade para desempenhar certas funções, tarefas ou papéis? Porque é que sinto necessidade de corresponder a certas expectativas sociais relacionadas com o meu género? Porque é que ser mulher ou ser homem influencia o meu comportamento social? Porquê? “Desafiar Estereótipos” incita-te a questionar um porquê muito particular: o porquê das imposições ou das condicionantes sociais que te são apresentadas em função do teu género. Agora, que te estreias ou estás prestes estrear na vida adulta, serás confrontado e confrontada com um conjunto de obstáculos diretamente relacionados com o facto de seres homem ou mulher. Estes obstáculos nem sempre são fáceis de descortinar, tal é a sua subtileza e enraizamento nas normas da sociedade em que vivemos.

Sinopse do livro

Porquê? Porque é que, socialmente, me sinto mais à vontade para desempenhar certas funções, tarefas ou papéis? Porque é que sinto necessidade de corresponder a certas expectativas sociais relacionadas com o meu género? Porque é que ser mulher ou ser homem influencia o meu comportamento social? Porquê? “Desafiar Estereótipos” incita-te a questionar um porquê muito particular: o porquê das imposições ou das condicionantes sociais que te são apresentadas em função do teu género. Agora, que te estreias ou estás prestes estrear na vida adulta, serás confrontado e confrontada com um conjunto de obstáculos diretamente relacionados com o facto de seres homem ou mulher. Estes obstáculos nem sempre são fáceis de descortinar, tal é a sua subtileza e enraizamento nas normas da sociedade em que vivemos.

Desafiar Estereótipos é um projeto pedagógico de promoção da Igualdade de Género e de Oportunidades, desenvolvido em coautoria com a artista Ana Bacalhau, que visa criar nos e nas jovens a reflexão e o debate sobre diversos conceitos associados ao tema da Igualdade. O projeto está direcionado para os alunos/as do Ensino Secundário e pode ser apresentado nas mais diversas organizações educativas que trabalhem com este público, em diferentes modelos de apresentação.

Este conteúdo, Desafiar Estereótipos, explora, para uma melhor compreensão da temática geral, os diversos contextos de vida, onde a discriminação em função do género acontece, nomeadamente na conciliação entre a vida pessoal, familiar e profissional, nos contextos de Poder e de Tomada de Decisão e em casos de Violência de Género.

Inclui temas originais, musicados pela Ana Bacalhau, e uma peça de teatro, que é a adaptação das histórias do livro ao teatro.

Sobre o

projeto

Betweien Lisboa

Centro de Escritórios Panoramic
Av. do Atlântico, lote 1.19.02 A
Escritório 14.13, 1990-019 Lisboa

210 990 675

38°46'26.4"N 9°05'52.9"W

FALE CONNOSCO:

Obrigado(a)!

Betweien Braga

Casa Betweien
R. Maria Amélia Bastos Leite 194,

4705-120 Ferreiros, Braga 

253 727 196

41°31'48.4"N 8°26'31.6"W

Contactos

​© Betweien, Lda., 2022

  • Facebook
  • Instagram
  • LinkedIn
  • YouTube